Alunos da turma do Terceirão de 1983 do Colégio Medianeira se reuniram no dia 17 de junho para uma simbólica aula da disciplina de Química, ministrada pelo professor Olindo Baggio. O encontro possibilitou que os sempre-alunos da instituição de ensino paranaense – vinculada à Companhia de Jesus – pudessem fazer um passeio no tempo, resgatando memórias daqueles dias, em um momento marcado por saudade e emoção.

Diretor Geral do Colégio Medianeira, Pe. Carlos Alberto Jahn, SJ, salientou que o retorno do grupo à instituição traz uma relação de proximidade e carinho. “Para a Companhia de Jesus, a formação humana e acadêmica caminham juntas. Quando uma turma que completa 30 ou 40 anos volta, é porque ela tem vínculos. E essa manutenção do vínculo se faz em momentos como esse. Uma instituição jesuíta não prepara o aluno para si, mas para o mundo”, destacou.

O reencontro também trouxe uma reflexão a respeito da contribuição do Medianeira na formação de cada um dos sempre-alunos. O dentista Péricles Antônio Barbosa Pinto, sempre-aluno e pai de sempre-aluna, frisou a alegria de voltar ao Colégio. “O sentimento que fica é o de profunda gratidão a essa instituição. Eu entrei na Educação Infantil, fiquei até o Terceirão e todas as lembranças que eu tenho são fantásticas”, resumiu.

Para o professor Olindo Baggio, o encontro foi repleto de sentimento. O educador, que realizou até mesmo uma chamada antes da aula, ressaltou o contentamento em rever muitos de seus estudantes. “É muito gratificante. É uma turma que comunica bastante, sempre faz festa e, em uma dessas festas, alguém teve a ideia de fazer uma aula novamente”, disse.

Aproveitando a oportunidade, o grupo visitou o Medianeira e conferiu algumas das mudanças e relocações de setores no Colégio. Para Cláudia Bruning, fisioterapeuta e sempre-aluna, a herança deixada pelo Medianeira é a serenidade e as habilidades cognitivas. “Aprendemos a olhar para o outro, olhar como cidadão. Tenho muita gratidão pelo Colégio e pelos Jesuítas”, diz Cláudia.

Pe. Carlos observa que muitos dos alunos egressos do Medianeira têm no Colégio uma referência, um porto seguro e um amparo para períodos de perdas e de alegrias. “São esses momentos que fazem com que os sempre-alunos retornem para recarregar baterias e retomem as suas vidas”, finalizou o jesuíta.

Fonte: Assessoria de Comunicação Colégio Medianeira

Fotos: Paulinha Kozlowski/Colégio Medianeira

Mais notícias