É no contraturno escolar que crianças e adolescentes, dos 6 aos 15 anos de idade, aprendem sobre o cultivo, a preservação e o uso racional dos recursos naturais e, ao mesmo tempo, são incentivados a manterem uma vida mais saudável, através da educação alimentar e nutricional.

Utilizando a Horta Mãe-da-Terra como instrumento pedagógico, o Programa de Ação Socioeducativa na Comunidade – Pasec promove a proteção, a socialização e o fortalecimento de vínculos familiares e comunitários dos estudantes da Escola Municipal de Ensino Fundamental Santa Marta, de São Leopoldo. Para a estudante Michele Santos, de 11 anos, participar dos encontros do Pasec é sinônimo de aprendizado e diversão. “Acho legal mexer na terra, mas também gosto de brincar de montar cidades quando vamos para a sala, depois de cuidar das plantinhas”, diz.

A assistente social do programa, Adriani Faria, conta que muitas crianças e adolescentes buscam na equipe do Pasec o afeto que às vezes lhes falta em casa: “A gente quer que eles se sintam bem nesse espaço, que sejam acolhidos, e eles mesmos já nos relataram que é aqui que vão ter um abraço, um beijo, uma escuta”, conta Adriani. Para a bióloga Daiani Fraporti dos Santos, o carinho que recebem dos estudantes é gratificante. “É bonito ver as crianças correndo para nos encontrar e perguntando por que não tem horta todo dia. Eu acho que tu cativas as pessoas quando é aberto, e não tem nada melhor do que um abraço para isso”, conclui.

Além das atividades desenvolvidas junto aos estudantes com a Horta Mãe-da-Terra, o Pasec – Programa vinculado ao Centro de Cidadania e Ação Social da Unisinos – também se ocupa do plantio de árvores nativas em torno da nascente do Arroio da Manteiga. Juntamente, realiza mutirões ecológicos e a recuperação de áreas verdes dentro da comunidade onde residem os participantes da iniciativa.

Estudante do curso de Biologia na Unisinos e estagiária do Pasec, Bruna Drieli Corrêa de Brito vê a oportunidade com olhos de gratidão. “É uma experiência de grande significado para mim, até para a vida, em coisas para as quais não dava importância e que agora eu valorizo”, emociona-se. “Mesmo que ganhe bolsa de estudo, me importo mais com o valor do que eu consigo passar para eles. Eu estou recém no começo do curso e, quando entrei para o Pasec, eu pensei ‘o que eu tenho para ensinar?’. Hoje, eu ensino e aprendo, tudo ao mesmo tempo”, frisa Bruna.

Fonte: Assessoria de Comunicação Unisinos

Fotos: Roberto Caloni/Unisinos

Mais notícias

Dia Internacional do Migrante: famílias venezuelanas se preparam para viagem amanhã, sábado (19), ao Rio Grande do Sul já com emprego garantido

dezembro 18th, 2020|0 Comments

Celebração pelo Dia Internacional do Migrante coincide com a acolhida de 71 venezuelanos que serão interiorizados com carteira assinada na serra gaúcha  Este 18 de dezembro, Dia Internacional do Migrante, é especial para um grupo de 71 venezuelanos: é o [...]