Para celebrar seus cinco anos de existência, a Rede Jesuíta de Educação Básica reuniu cerca de 380 pessoas de unidades de todo o Brasil, além de convidados de fora do país, para participarem do I Congresso da Rede Jesuíta de Educação Básica / 6º Congresso Inaciano de Educação, que aconteceu de 02 a 05 de outubro, no Colégio São Luís, em São Paulo. Tendo como mote principal ‘Educação para a Cidadania Global’, o evento tratou sobre o caminho de renovação trilhado pela RJE, com foco na formação de cidadãos globais a partir da educação integral inaciana.

Ao longo dos quatro dias, o evento contou com diversas conferências, sendo que as principais foram transmitidas pelo canal do YouTube da RJE. Sob a luz do tema principal, o Congresso contou com palestrantes como a pedagoga e psicóloga, Bernadete Gatti; o professor da Fundação Ford de Prática em Educação Internacional e do Programa de Política de Educação Internacional da Universidade de Harvard, Fernando Reimers; o Secretário Mundial para a Educação Básica da Companhia de Jesus, Pe. José Roberto Mesa; e o Delegado para a Educação da Conferência de Provinciais na América Latina e Caribe (CPAL), Pe. Luiz Fernando Klein.

Abertura e entrega da medalha de Mérito Inaciano

A Missa de abertura foi presidida pelo Reitor do Colégio São Luís, Pe. Carlos Alberto Contieri, que deu as boas-vindas e ressaltou o valor do encontro entre representantes de escolas de todo o Brasil e da Província, da FLACSI e da Educate Magis. “Somos um só corpo, engajados no mesmo propósito e nossa linguagem comum é o serviço. Que Deus nos ilumine e nos dê graça para que o Congresso fortaleça a RJE, possibilite a partilha e nos ofereça a oportunidade de nos alegrarmos pela vocação de sermos educadores”, disse Pe. Contieri.

Diretor-Presidente da RJE Ir. Raimundo Barros, abriu o Congresso destacando o evento como uma oportunidade de celebração e também de agradecimento pelos cinco anos da rede, salientando, ainda, a publicação do Projeto Educativo Comum (PEC), um esforço coletivo para dar um rosto novo para a Educação da Companhia de Jesus no Brasil.

O primeiro dia ainda foi reservado para um momento especial, no qual o atual Diretor-Geral do Colégio dos Jesuítas (MG), Pe. Mário Sündermann, recebeu a medalha de Mérito Inaciano como homenagem e agradecimento pela construção da RJE, fundada em 2014, sendo parte da missão que teve como Delegado para Educação Básica da Companhia de Jesus no Brasil. O jesuíta compartilhou a homenagem com todos, destacando o trabalho conjunto e reforçando que a caminhada continue para que cada unidade educativa seja um centro de aprendizagem “onde ensinar e aprender tenham sabor e significado”, finalizou Pe. Mário.

Conferências fazem imersão no tema central

Na conferência de abertura do encontro, Pe. José Alberto Mesa, ressaltou a importância de formar pessoas que pensem em nível local e global, que possam agir de acordo com esses dois contextos. “Queremos que nossos alunos sejam ativos e atuantes em seu contexto local, mas agindo globalmente também”, afirmou Pe. Mesa.

Em uma mesa de reflexão mediada pelo Pe. Luiz Fernando Klein e que contou com as participações do Pe. José Mesa e da Prof.ª Dr.ª Bernardete Gatti, o grupo foi convidado a ponderar sobre a promoção de uma educação para a Cidadania Global. Respondendo a perguntas, eles ressaltaram a importância do desenvolvimento de uma consciência planetária e do papel dos educadores e dos jovens. “Os estudantes precisam se mobilizar, se perguntar, desenvolver essa capacidade de questionar. Nesse ponto, os professores podem ajudar nessa problematização da realidade, pois juntos podemos encontrar soluções”, afirmou Bernardete.

Em sua palestra, Pe. Luiz Fernando Klein, apresentou a campanha da CPAL sobre o tema, a partir de um contexto de 263 milhões de crianças e adolescentes no mundo fora da escola e de 758 milhões de adultos que não sabem ler nem escrever. Discorreu sobre importantes marcos de referência e apresentou um decálogo, que rege a campanha, de princípios básicos sobre a educação dos mais pobres: educação é um direito básico, um bem radical, um direito universal, um bem público, mira a equidade, busca ser integral, e da mais alta qualidade, para formar em valores, desenvolver competências e é um processo vitalício. “É necessária uma conversão para transpor os limites operacionais, ir além dos muros e somar-se às entidades, da sociedade civil e das Igrejas, empenhadas nesta causa do direito universal à educação de qualidade para todos. Pessoas sensibilizadas e conscientizadas serão o apoio imprescindível para a instituição educativa se persuadir de que o tema da justiça educativa faz parte de sua agenda cotidiana”, disse Pe. Klein.

Fonte: Assessoria de Comunicação RJE

Fotos: Divulgação

Mais notícias