Conceito em voga na atualidade, a resiliência foi tema norteador de um encontro no qual a partilha e a busca por novos horizontes, fizeram com que os participantes transcendessem as mais variadas situações adversas da vida cotidiana. Assim foi o curso Relações humanizadoras sob o olhar da resiliência, realizado de 22 a 24 de fevereiro, no Centro de Espiritualidade Cristo Rei (CECREI), em São Leopoldo (RS).

O encontro contou com 21 participantes e teve como orientadora a psicóloga e teóloga, Ir. Susana Rocca, que ao longo dos três dias de imersão compartilhou experiências e procurou trazer algumas das respostas para circunstâncias negativas do dia a dia das pessoas, como conflitos, desemprego, doenças, perdas, solidão, depressão e estresse, entre outros.

Para dar embasamento ao curso, Susana explica que utilizou pesquisas bibliográficas e de campo, visando apresentar metodologias que facilitassem aos participantes trabalharem as dificuldades nos mais variados aspectos, buscando o crescimento por meio de gestos e atitudes humanizadoras.

De acordo com Susana, cada pessoa possuí seus fatores de enfrentamento às adversidades, cabendo a cada um descobrir qual a melhor maneira de ultrapassar essas dificuldades. “A resiliência é a capacidade que todo o ser humano tem de superar situações, sejam elas pequenas ou grandes. Para isso, o curso baseou-se em aprofundar quais seriam os aspectos que poderíamos trabalhar para desenvolver a resiliência. Um dos fatores importantes é o fato de termos uma crença em um ser superior, em especial para nós, cristãos, Jesus Cristo; Ele que passou por situações tão humanas. Elementos como esse podemos dizer que são pilares para a resiliência”, disse.

Participante do encontro, o agrônomo José Antonio Simon destacou que as diversas dinâmicas apresentadas ao longo do curso podem se tornar importantes ferramentas para quem procurar ultrapassar os obstáculos da vida. “Dos vários exemplos citados, um que, na minha opinião, foi muito importante, é a questão do perdão. Outro foi o fato da resiliência pessoal, de entender as diversas situações da vida de uma maneira positiva. Coisas como a morte de entes queridos, o encerramento de ciclos… encarar a vida de maneira leve, mas com propósitos. Entre os fatores de proteção, um que me ajuda muito é a oração. A meditação também é importante no sentido de esvaziar a mente, e ela, aliada ao sentido de um Deus protetor, sempre foi de grande valia”, frisou Simon.

Fonte: Assessoria de Comunicação ASAV

Fotos: Divulgação

Mais notícias