Assinado acordo de cooperação entre governo federal, prefeituras e ONU/ASAV para interiorização de venezuelanos

Nesta sexta-feira (24/8), estado e sociedade civil deram importante passo no processo de interiorização de 646 venezuelanos no Rio Grande do Sul. Em ato solene na cidade de Canoas, os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, e do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, a representante do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), Isabel Marquez, e os prefeitos de Canoas e Esteio, Carlos Busato e Leonardo Paschoal, respectivamente, assinaram o documento que dá início aos repasses do BNDES e às autorizações para os contratos de aluguéis de cinco imóveis nos dois municípios.

De acordo com ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, os venezuelanos que chegarão ao Rio Grande do Sul possuem os mais variados perfis. Muitos têm qualificação superior. Beltrame se mostrou confiante na receptividade do povo gaúcho, que deve acelerar o processo de adaptação dos venezuelanos. “A expectativa é de que em menos de seis meses eles possam se integrar à sociedade, agilizando o processo de desocupação dos abrigos. Na conversa com os prefeitos, já temos notícias de ofertas de vagas de emprego por empresários das duas cidades”, afirmou.

A representante do ACNUR no Brasil, Isabel Marquez, agradeceu aos municípios e em especial à ASAV pela solidariedade. “São cerca de 2,3 milhões de venezuelanos que foram forçados a sair de seu país. Eles não escolheram. Estamos aqui para interiorizar esse povo. Temos uma grande oportunidade para os venezuelanos e para os gaúchos. Todos ganham. Nós vamos acompanhar esse processo por meio da ASAV, organização dos jesuítas que nos representa no Rio Grande do Sul”, explicou Isabel.

A equipe do Programa Brasileiro de Reassentamento Solidário de Refugiados da ASAV – parceiro do ACNUR – participa ativamente do processo. “É um trabalho coletivo inédito, em que prefeituras, governo federal e sociedade civil reúnem esforços para seguir em frente com um bom plano de trabalho de integração e proteção dos venezuelanos. Nós, da ASAV, temos com o Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados (SJMR), uma grande experiência e estamos oferecendo toda a tecnologia social que desenvolvemos em 15 anos para apoiar os municípios nesse trabalho humanitário, para que todos se sintam acolhidos aqui no estado”, destaca a coordenadora do Programa da ASAV, Karin Wapechowski.

Fonte: Assessoria de Comunicação ASAV

Foto: Ana Klein/ASAV

Mais notícias

By | 2018-08-31T17:31:31+00:00 agosto 24th, 2018|Ação Social|